Loading...

Autoestima

Autoestima

 

A gente vive falando sobre autoestima, autoconfiança, autoconhecimento e muitos outros “autos” que interferem diretamente na maneira como nos comportamos, agimos e pensamos no dia a dia.

Nós vamos trazer aqui hoje um pouco mais de informação para você que busca ter a autoestima como característica fundamental para o seu bem-estar emocional.

O que é a autoestima?

Autoestima é a imagem e a opinião, positiva ou negativa, que cada um tem e faz de si mesmo.

Ela é construída a partir das experiências pessoais, das emoções, crenças, comportamentos, autoimagem e da imagem que os outros têm sobre nós.

É um valor que você atribui a si próprio como forma de avaliação física e mental, além da questão de aceitação, que reflete nas nossas atitudes diárias e equilíbrio emocional

Além disso, a autoestima é definida a partir das experiências passadas, influencia os comportamentos atuais e determina como serão aqueles futuros.

Para os psicanalistas a autoestima está diretamente relacionada ao desenvolvimento do ego, uma “estima de si”, como já bem dizia Freud.

Autoestima elevada

Quem tem boa autoestima costuma apresentar os seguintes comportamentos:

  • Facilidade para mudar: não costumam conviver com pessoas ou ambientes negativos ou desfavoráveis;
  • Confiam em si: não costumam levar em consideração o julgamento de outras e absorvem apenas o que pode lhe render frutos positivos;
  • Lidam bem com seus pontos fracos: fraquezas ou defeitos são aspectos para serem superados e não vitimados;
  • Cuidam de si: em geral, buscam bons hábitos alimentares, praticam atividades que favorecem a saúde e os cuidados com o corpo;
  • Tomam atitudes: a autoestima funciona como combustível para não ficar em cima do muro ou com dúvidas sobre qual caminho seguir;
  • São seguras: por se sentir bem consigo próprio, não costumam se autoafirmar por suas qualidades ou feitos;
  • Nem modesto, nem arrogante: arrogância é uma condição de supervalorização e a modéstia é de inferiorização;
  • Lidam bem com a solidão ou o desapego: procuram compreender certos afastamentos do que impedir ou sofrer por eles;
  • Sabem dizer não: não têm vergonha ou sentimento de injustiça ao negar algo a alguém, buscando sempre ter uma atitude justa consigo e com os demais.

Baixa autoestima

Ter baixa autoestima reflete em uma série de comportamentos que podem, a longo prazo, ser prejudiciais para o desenvolvimento pessoal e profissional.

Uma pessoa com baixa autoestima pode, por exemplo, ter dificuldade em dizer não, desenvolver compulsão alimentar e até mesmo se sentir inferior e incapaz.

O tratamento com a psicoterapia é necessário para que você crie ferramentas de superação e desenvolva melhor as suas capacidades, a autoconfiança, a sua própria aceitação como ser humano e suas habilidades sociais.

Entre as principais características das pessoas com baixa autoestima, podemos perceber:

  • Falta de confiança;
  • Timidez em excesso;
  • Medo de ser rejeitado;
  • Problematiza as suas limitações;
  • Precisa de elogios e reconhecimento dos outros para se sentir satisfeito consigo mesmo;
  • Não sabe receber críticas;
  • Competitivo com os outros e está sempre se comparando;
  • Tem por hábito a procrastinação;
  • Perfeccionismo;
  • Não reconhece suas vitórias e sucessos.

Além do desejo de agradar os outros, de ser amado ou de pertencer a determinado grupo, a dificuldade de dizer não alimenta sentimentos negativos em quem alimenta essa prática.

É um sentimento de raiva que cresce e vai tomando conta da pessoa. Cada sim que ela fala para o outro é um não que ela fala para ela mesma.

Agora você deve estar se perguntando como aumentar a autoestima, não é mesmo?

Além da ajuda de um especialista é preciso saber que há outros caminhos que você pode começar a experimentar e por em prática, que vão lhe ajudar em seu crescimento pessoal e na difícil tarefa de entender que é possível aceitar a si mesmo.

O primeiro passo é você acreditar que tentar aumentar a sua autoestima é bom para você e para as pessoas que estão ao seu redor, e sem dúvidas vai fazer você sentir que é possível se tornar a pessoa que você gostaria de conhecer.

Foque no autoconhecimento

Compreenda quais são seus pontos fortes e os fracos, as sua limitações e como elas surgiram é parte essencial do processo regenerativo do amor próprio.

Seja mais realista em relação às suas expectativas

Nada pode ser mais frustrante do que definir expectativas irrealistas.

Então, reflita se o que você espera que aconteça está de acordo com as suas possibilidades, pois ficar desapontado constantemente vai gerar uma autoestima negativa.

Quando possuímos expectativas realistas em nossa vida, podemos parar de nos repreender e termos mais prazer em comemorar as pequenas vitórias.

Não busque pela perfeição

A busca pela perfeição pode te paralisar, sendo assim, o perfeccionismo é um dos hábitos mais destrutivos que podemos cultivar.

O receio de cometer erros nos transforma em pessoas mais infelizes e procrastinadoras e, consequentemente, a autoestima diminui.

Não se compare aos outros

Tente não se comparar, mas aprecie as suas próprias conquistas e oportunidades, e deixe de lado o efeito “a grama do vizinho é sempre mais verde”, principalmente, se a sua comparação vem de fotos e postagens das redes sociais.

Admire as suas qualidades

Se admire e não precisa ser algo complexo e grandioso, mas sim coisas simples e importantes que você já viveu ou conquistou.

Invista na sua saúde emocional e física

 

Exercícios físicos estimulam não só diversos benefícios ao seu organismo, como trabalham também a sua autoimagem e o seu cuidado com si.

Descubra hábitos que o façam relaxar a cabeça, invista em práticas de respiração e meditação, e sempre que puder faça terapia para dar uma pausa no mundo e olhar para dentro de si.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

 
 
 

The product has been added to your cart.

Continue shopping View Cart